Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017. Atualizado às 18h25.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

campeonato brasileiro

Alterada em 20/02 às 18h27min

Clubes vetam gramado sintético e venda de mandos no Campeonato Brasileiro

O Conselho Técnico do Campeonato Brasileiro da Série A, ocorrido na tarde desta segunda-feira na sede da CBF, tomou duas decisões importantes, que vão mexer diretamente com dois rubro-negros.
A primeira delas foi a proibição do uso de gramados sintéticos para jogos do torneio. Ou seja, o Atlético-PR vai perder aquela que foi sua grande arma no Brasileiro passado - derrotou quase todos os adversários na Arena da Baixada, perdendo apenas do Palmeiras.
Mas a perda não será imediata. Foi ao menos estabelecida uma "regra de transição" de um ano, por sugestão do presidente do Grêmio, Romildo Bolzan. Como ficaria muito em cima da hora para o Atlético-PR trocar o gramado (vale lembrar que colocou o sintético há cerca de um ano), o time paranaense vai poder jogar normalmente em 2017, e depois terá de mudar o piso.
A outra medida atinge o Flamengo, mas não só ele. Foi proibida a venda de mando de campo e, com isso, o clube não poderá mais mandar jogos fora do Estado, como fez várias vezes no ano passado. Não foi só o time carioca que fez isso, mas ele foi quem mais atuou longe de casa em 2016.
Alguns clubes votaram contra a medida. O presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, argumentou que os jogos fora do território fluminense ocorrem quando não há onde o time atuar, mas não convenceu a maioria de seus colegas.
Assim, o Flamengo, que tinha entre outras propostas fazer do Pacaembu, em São Paulo, uma espécie de segunda casa, vai ter de utilizar mais o estádio da Portuguesa, na Ilha do Governador. Ou então, torcer para que a indefinição sobre o Maracanã acabe logo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia