Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017. Atualizado às 09h19.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 24/02 às 09h21min

Confiança de serviços sobe 0,5 ponto em fevereiro ante janeiro, aponta FGV

O Índice de Confiança de Serviços (ICS) subiu 0,5 ponto na passagem de janeiro para fevereiro, para 80,9 pontos, na série com ajuste sazonal, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) na manhã desta sexta-feira (24). "Os indicadores de fevereiro confirmam a melhora no ânimo das empresas de serviços neste início de ano. A consistente queda da inflação e o início do ciclo de redução da taxa básica de juros, associados às perspectivas de implementação de reformas que abram caminho para o ajuste das contas públicas, devem estar atuando para a contínua melhora na percepção empresarial sobre o rumo dos negócios", avaliou o economista Silvio Sales, consultor do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota oficial.
Houve melhora da confiança em sete das 13 principais atividades pesquisadas. O Índice de Expectativas (IE-S) subiu 1,9 ponto, para 88,5 pontos, o maior nível desde outubro de 2014. Mas o Índice de Situação Atual (ISA-S) caiu 0,8 ponto, para 73,5 pontos, após ter subido 4,7 pontos em janeiro.
"O índice de confiança retorna ao nível do início de 2015, mas segue bastante apoiado nas expectativas, reforçando a ideia de uma transição lenta para uma fase de retomada do crescimento da atividade real do setor", completou Sales.
A maior contribuição para a variação do ISA-S no mês foi dada pelo indicador de percepção com a Situação Atual dos Negócios, com queda de 1,0 ponto. Entre os indicadores integrantes do IE-S, o destaque positivo foi o de Demanda Prevista, que cresceu 3,3 pontos.
Na sondagem de fevereiro, o indicador de Emprego Previsto subiu 0,6 ponto, alcançando 93,7 pontos. Entre as 1.897 empresas consultadas, 12,4% planejam contratar nos próximos três meses, enquanto 18,2% afirmam que irão reduzir o quadro de pessoal. O setor de serviços apresenta o maior valor adicionado na economia brasileira e também é o que mais emprega.
O Nível de Utilização da Capacidade (NUCI) do setor de serviços recuou 0,2 ponto porcentual em fevereiro, para 82,1%. A coleta de dados para a edição de fevereiro da sondagem foi realizada entre os dias 1º e 22 deste mês.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia