Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017. Atualizado às 08h02.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 24/02 às 08h07min

Bolsa de Tóquio recua com menor expectativa de alta de juros nos EUA

A Bolsa de Tóquio fechou em baixa moderada nesta sexta-feira (24), à medida que diminuíram as expectativas de que os EUA elevem juros no curto prazo.
O índice Nikkei caiu 0,45%, encerrando o pregão a 19.283,54 pontos. Ao longo da semana, porém, o índice que reúne as ações mais negociadas na capital do Japão acumulou valorização de 0,25%.
A maioria dos investidores acredita que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) irá manter os juros básicos nos níveis atuais na reunião de março, após a instituição falhar em dar sinais claros de aumento iminente em sua última ata de política monetária, publicada na quarta-feira.
Papéis de seguradoras e bancos foram destaque negativo em Tóquio, espelhando o movimento de queda do rendimento dos Treasuries e dos bônus do governo japonês, os chamados JGBs. A Dai-ichi Life Holdings recuou 1,4%, enquanto o Sumitomo Mitsui Trust Holdings teve baixa de 0,9%.
Já ações "cíclicas", que se beneficiaram recentemente com a perspectiva de novos estímulos fiscais nos EUA, foram pressionadas por realização de lucros. Foi o caso da fabricante de equipamentos de construção Komatsu (-5,4%) e da siderúrgica JFE Holdings (-2,1%).
Por outro lado, a Toshiba, que enfrenta problemas financeiras, manteve o recente padrão de volatilidade e subiu 4,1% hoje, após recuar 4,3% ontem e saltar 22% na quarta-feira.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia