Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017. Atualizado às 14h51.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

22/02/2017 - 10h52min. Alterada em 22/02 às 14h57min

Trabalhadores se reúnem com Wickbold para tentar reverter demissões na Seven Boys

Trabalhadores da unidade da Seven Boys aguardam reunião com diretores da Wickbold

Trabalhadores da unidade da Seven Boys aguardam reunião com diretores da Wickbold


Stipanpa/Divulgação/JC
O Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Panificação de Porto Alegre (Stipanpa) se reúne, na manhã desta quarta (22), com diretores da Wickbold, dona da marca de pães Seven Boys, para tentar reverter as 350 demissões ligadas à desativação da produção na unidade da Capital. A apreensão sobre o impacto social da medida é grande entre os atingidos. Muitos estão em frente à sede do sindicato, na rua Mali, 146, na Vila Ipiranga, enquanto acontece a reunião.  
Os executivos vieram de São Paulo, sede da empresa. A fábrica da Wickbold paulista deve abastecer a região Sul. A empresa alega dificuldades financeiras e informou que um estudo estratégico teria apontado o fechamento da unidade no bairro Rubem Berta como medida mais viável economicamente. Funcionários e mesmo moradores do bairro dizem que insumos e equipamentos utilizados na produção já estão sendo transferidos para São Paulo. No fim de semana, o fluxo de caminhões foi intenso na unidade.
O presidente da entidade, Waldir Canibal de Avila, diz a última reunião com representantes da Wickbold foi bastante conturbada. O acordo final seria de manutenção do funcionamento da fábrica até 1 de março. Os sindicalistas podem buscar o Ministério Público do Trabalho (MPT) contra a medida devido ao volume de demitidos. A fábrica tem 500 empregados.   
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia