Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017. Atualizado às 09h48.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

construção civil

Alterada em 22/02 às 09h51min

Custo da Construção desacelera em Porto Alegre, para 0,28%

No geral, o INCC-M ficou em 0,53% em fevereiro

No geral, o INCC-M ficou em 0,53% em fevereiro


ANTONIO PAZ/ARQUIVO/jc
O Índice Nacional de Custo da Construção - Mercado (INCC-M), calculado pela Fundação Getulio Vargas (FGV), registrou desaceleração em Porto Alegre. O índice apresentou variação de 0,28% em fevereiro, ante 0,29% em janeiro. No geral, o INCC-M ficou em 0,53% em fevereiro, taxa maior que a registrada em janeiro (0,29%), divulgou nesta quarta-feira (22).
O grupo Materiais, Equipamentos e Serviços apresentou variação de 0,62% neste mês, após avançar 0,30% na leitura de janeiro. Já o índice referente à Mão de Obra registrou variação de 0,45% ante 0,28% no mês anterior.
Das sete capitais analisadas, quatro registraram aceleração em suas taxas de variação na passagem de janeiro para fevereiro: Belo Horizonte (0,23% para 2,00%), Recife (1,15% para 1,52%), Rio de Janeiro (0,16% para 0,38%) e São Paulo (0,05% para 0,26%). Em contrapartida, além de Porto Alegre, o INCC desacelerou no período nas cidades de Salvador (0,55% para 0,38%), Brasília (0,81% para 0,09%).
O avanço do grupo Materiais, Equipamentos e Serviços contribuiu para a aceleração do índice. Dentro do segmento, os dois subgrupos registraram elevação no período. O índice correspondente a Materiais e Equipamentos subiu para 0,47%, de 0,17% em janeiro, com a principal contribuição de materiais para acabamento, cuja taxa passou de 0,14% para 0,66%. Na parte de Serviços, houve alta de 1,16% ante 0,79% no mês anterior, e a FGV destacou a aceleração das taxas de serviços e licenciamentos (3,02% para 6,14%).
O avanço da inflação relacionada à Mão de Obra de 0,28% em janeiro para 0,45% em fevereiro é explicado, segundo a FGV, pelos reajustes salariais em Belo Horizonte, Recife, Brasília e Salvador.
Entre as maiores influências individuais de alta do INCC-M de fevereiro estão taxas de serviços e licenciamentos (3,02% para 6,14%), ajudante especializado (0,25% para 0,40%), tubos e conexões de PVC (0,18% para 3,25%), servente (0,45% para 0,50%) e carpinteiro (fôrma, esquadrias e telhado) (0,22% para 0,49%).
Já entre as maiores influências de baixa estão argamassa (0,41% para -0,90%), condutores elétricos (7,14% para -1,23%), projetos (0,01% para -0,09%), aduela e alizar de madeira (0,22% para -0,14%) e pedra britada (0,47% para -0,28%).
O INCC-M é calculado pela FGV com base nos preços coletados entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia