Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de fevereiro de 2017. Atualizado às 22h40.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Contas Públicas

Notícia da edição impressa de 22/02/2017. Alterada em 21/02 às 21h28min

Maia diz não saber se o regime de recuperação fiscal proposto pelo governo passará no plenário

Presidente da Câmara dos Deputados cita gravidade da crise no Rio

Presidente da Câmara dos Deputados cita gravidade da crise no Rio


MARCELO CAMARGO/ABR/JC
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse ter dúvidas sobre a aprovação do projeto de lei complementar que prevê o regime de recuperação fiscal de estados com contrapartidas previstas no texto. "Não sei se será fácil passar. O problema é que vamos ter de explicar aos deputados que o governo entende que as condições que ele tem para poder assinar o contrato é com as contrapartidas de um projeto de lei complementar. Não quer dizer que eu concorde", afirmou.
Citando a crise fiscal do Rio de Janeiro e a situação dos servidores (principalmente os ligados a serviços essenciais), Maia afirmou que as partes precisam buscar uma solução com base no debate sem radicalismo entre o Executivo e o Parlamento. "Daqui a pouco para a segurança, a saúde, a educação. Aí não é bom para ninguém", observou. O regime de recuperação fiscal contempla, por enquanto, os três estados que decretaram calamidade financeira: Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia