Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de fevereiro de 2017. Atualizado às 11h22.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 21/02 às 11h22min

Ações abrem em alta com commodities e, na máxima, Bovespa supera os 69 mil pontos

A Bovespa continua nesta terça-feira (21) o rali visto na segunda-feira (20), impulsionado pelo anúncio do acordo de acionistas da Vale. O principal indicador da Bolsa brasileira já superou os 69 mil pontos na máxima intraday. Apesar de terem fechado com uma valorização superior a 6% na segunda, as ações ON e PNA da mineradora estão entre as maiores altas do Ibovespa neste início de pregão. Sobem mais de 2% nesses primeiros minutos de negociação.
O contrato do Ibovespa futuro para abril também já suplantou uma marca: a dos 70 mil pontos. Pela manhã, marcou a máxima aos 70.080 pontos. Às 10h23min, o Ibovespa (à vista) subia 0,69% aos 69.009,14 pontos.
Segundo profissionais do mercado de ações, a continuidade da valorização dos preços acontece nesta terça pelo impulso das commodities. O preço do minério de ferro subiu no mercado à vista chinês, e o petróleo tem alta superior a 1% nos mercados futuros de Londres e de Nova Iorque.
De acordo com um operador de ações, a cena política não faz preço, apesar da sabatina de Alexandre de Moraes, indicado pelo presidente Michel Temer para assumir vaga no Supremo Tribunal Federal, e das discussões sobre a reforma da Previdência.
Analistas entendem que Moraes será aprovado, apesar dos protestos de segunda no Rio, em São Paulo, da oposição por parte de senadores e deputados e do manifesto de um professora de Direito da UnB, apoiado por mais de 2,6 mil pessoas. Investigado na Lava Jato, Edison Lobão (PMDB) presidirá a sessão de sabatina do candidato a magistrado no Supremo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia