Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017. Atualizado às 21h18.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

20/02/2017 - 21h12min. Alterada em 20/02 às 21h19min

Dólar opera sem direção única ante rivais, com eleições na França e Brexit

Em um dia marcado pelo baixo volume de negócios em razão do feriado do Dia dos Presidentes nos Estados Unidos, o dólar operou sem sinal único ante moedas principais nesta segunda-feira, 20. As eleições na França e as discussões sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (o chamado "Brexit") estiveram no radar dos investidores.
No fim da tarde, o dólar subia de 112,92 ienes na tarde de sexta-feira para 113,12 ienes; o euro avançava de US$ 1,0612 para US$ 1,0618; e a libra tinha ganho de US$ 1,2422 para US$ 1,2467.
O euro acelerou os ganhos em relação à divisa americana durante a manhã, mas o dólar recuperou parte das perdas, com a moeda única enfraquecida pelas tensões geopolíticas na Europa. O mercado acompanha o desenrolar das eleições presidenciais na França e está atento à possibilidade dos candidatos da esquerda francesa de formarem uma chapa única.
Alguns investidores acreditam que uma chapa única da esquerda pode prejudicar o candidato da centro-direita, François Fillon, e ajudar a candidata da extrema-direita, Marine Le Pen, que apoia a saída da França da zona do euro.
Além disso, a libra ganhou força ante o dólar em meio às discussões sobre o Brexit. Hoje, a Câmara dos Lordes começou a debater a saída do Reino Unido da UE. A expectativa é de que as discussões, que começaram no início da tarde na Inglaterra, se estendam até a madrugada. A primeira-ministra britânica, Theresa May, pediu que os parlamentares não atrasem o processo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia