Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017. Atualizado às 13h32.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Governo Federal

Alterada em 20/02 às 13h35min

Blairo Maggi tem como dobrar produção de grãos sem ferir o meio ambiente, afirma Temer

Temer reiterou meta de ampliar para 10% participação brasileira de produtos agrícolas no comércio global

Temer reiterou meta de ampliar para 10% participação brasileira de produtos agrícolas no comércio global


Beto Barata/PR/Divulgação/JC
O presidente da República, Michel Temer, afirmou na manhã desta segunda-feira (20), depois de assistir a um vídeo institucional que seu ministro da Agricultura tem levado aos diversos países que visita mostrando o potencial da agricultura brasileira, que Blairo Maggi tem os meios para dobrar a produção de grãos sem ferir o meio ambiente.
O vídeo mostrando que, a despeito da grande produção agrícola, o País tem 61% de suas florestas preservadas, foi apresentado nesta segunda (20) na abertura da Agro+, evento do agronegócio, em São Paulo.
Repetindo parte do discurso feito anteriormente no evento por Maggi, Temer disse que a ampliação da produção agrícola se dará por meio da aplicação de mais tecnologia no campo, desburocratização dos meios de financiamento do setor e recuperação das áreas de pastos degradadas. "Vamos recuperar as áreas de pastos degradadas para torná-las agricultáveis sem prejuízo à pecuária", disse Temer. O presidente reiterou ainda a meta do seu governo de ampliar de 7% para 10%, em cinco anos, a participação brasileira de produtos agrícolas no comércio global.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia