Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017. Atualizado às 09h52.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Varejo

20/02/2017 - 09h57min. Alterada em 20/02 às 09h57min

Magazine Luiza reverte prejuízo e fecha 2016 c om lucro líquido ajustado de R$ 104,5 milhões

 loja Magazine Luiza Tucuruvi interior layout foto divulgação Tucuruvi

loja Magazine Luiza Tucuruvi interior layout foto divulgação Tucuruvi


MAGAZINE LUIZA/DIVULGAÇÃO/JC
O Magazine Luiza reverteu o prejuízo de R$ 52,4 milhões registrado no quarto trimestre de 2015 e registrou lucro líquido de R$ 46,1 milhões em igual intervalo de 2016. No critério ajustado, o resultado também ficou positivo em R$ 47,7 milhões no quarto trimestre do ano passado, ante um prejuízo de R$ 43,2 milhões em 2015.
No acumulado de janeiro a dezembro de 2016, a rede reverteu o prejuízo de R$ 65,6 milhões para lucro líquido de R$ 86,6 milhões. No critério ajustado, também ficou positivo em R$ 104,5 milhões, ante um número negativo de R$ 47,2 milhões em 2015.
O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ficou mais de duas vezes acima do reportado no quarto trimestre de 2015, em R$ 226,9 milhões. A margem Ebitda passou de 3,9% para 8%. O Ebitda ajustado teve alta de 100,6%, para R$ 229,3 milhões, com margem Ebitda de 4,5% para 8,1%.
De outubro a dezembro do ano passado, a receita líquida somou R$ 2,839 bilhões, uma expansão de 11,2% contra igual intervalo de 2015.
No quarto trimestre de 2016, o resultado financeiro líquido ajustado ficou negativo em R$ 127 milhões, ante R$ 145,9 milhões no quarto trimestre de 2015. "Este resultado foi impactado positivamente pela redução da dívida líquida e pelo início do ciclo de queda na taxa Selic", informou a empresa, no informe de resultados.
O Ebitda no total do ano de 2016 somou R$ 714,6 milhões, alta de 53,8% contra 2015, com margem Ebitda de 7,5% ante 5,1% no ano anterior. O Ebitda ajustado foi de R$ 741,7 milhões, alta de 50,6%, e a margem Ebitda ajustada passou de 5,4% para 7,8%.
A receita líquida no acumulado do ano passado foi de R$ 9,508 bilhões, avanço de 4,9% contra 2015. Nos doze meses de 2016, o resultado financeiro líquido ajustado atingiu R$ 466,3 milhões, ante R$ 458,4 milhões no total de 2015.

Vendas mesmas lojas cresceram 13,6%

O Magazine Luiza reportou crescimento de 13,6% no indicador de vendas mesmas lojas no quarto trimestre de 2016 em comparação com igual período de 2015. O índice considera pontos de venda abertos há mais de um ano junto com vendas online. O crescimento nas lojas físicas foi de 6% enquanto o comércio eletrônico registrou alta de 41,4% no faturamento na comparação anual.
Com este resultado do quarto trimestre, o Magazine Luiza encerra o ano com 6,6% de crescimento nas vendas mesmas lojas, puxado essencialmente pelas vendas online. A rede de lojas físicas cresceu 0,3% no ano e o e-commerce expandiu 32,2%. O desempenho indica uma recuperação ante uma queda de 10,9% nas vendas mesmas lojas em 2015.
Em sua divulgação de resultados, o Magazine Luiza destaca que o crescimento das vendas digitais no ano superou a média do e-commerce brasileiro. De acordo com dados do Ebit, as vendas do comércio eletrônico cresceram 7,4% em 2016.
A companhia ainda considerou que houve maior "racionalidade de preços" no e-commerce, o que contribuiu para a elevação da margem bruta da rede varejista. Nos três meses finais de 2016, a margem bruta do Magazine Luiza ficou em 29,6%, aumento de 0,7 ponto porcentual na comparação com os mesmos meses de 2015. A companhia destacou ainda que a margem foi ajudada pela cobrança de frete e montagem e melhora do mix de produtos vendidos, com maior participação de categorias mais rentáveis.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia