Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017. Atualizado às 21h35.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

combustíveis

Notícia da edição impressa de 17/02/2017. Alterada em 16/02 às 22h33min

Consumo de combustíveis cai 4,5% no País e 2,2% no Rio Grande do Sul em 2016

Petrobras anunciou diminuição de 2,7% no diesel e de 3,2% na gasolina

Petrobras anunciou diminuição de 2,7% no diesel e de 3,2% na gasolina


/JOÃO MATTOS/ARQUIVO/JC
As vendas de combustíveis no País caíram 4,5% em 2016, fechando o ano em 135,4 bilhões de litros. Foi o segundo ano consecutivo de queda - em 2015, a retração foi de 1,5%. Os dados fazem parte do balanço anual sobre o mercado de combustíveis, apresentado pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Mais uma vez, o desempenho teve forte influência do mercado de diesel, mais aderente à situação econômica do País.
Em 2016, as vendas de diesel caíram 5,1%, para 54,2 bilhões de litros. As vendas de etanol hidratado -que é vendido nos postos- também apresentaram queda, de 18,3%, para 14,5 bilhões de litros. Já o consumo de gasolina subiu 4,6%, para 43 bilhões de litros. As vendas de GNV (gás natural veicular) também apresentaram crescimento, de 3,2 %, chegando a 4,976 milhões de metros cúbicos por dia. A crise também teve impacto nas vendas de querosene de aviação, que caíram 8%, para 6,765 bilhões de litros. As vendas de GLP (gás liquefeito de petróleo) aumentaram 1,1%, para 13,398 bilhões de litros.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia