Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017. Atualizado às 21h35.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Comércio Exterior

Notícia da edição impressa de 17/02/2017. Alterada em 16/02 às 22h33min

Ano começa com crescimento nas exportações do Estado

O ano de 2017 começa com aumento nas exportações do Rio Grande do Sul. Do total de US$ 1,075 bilhão comercializado com o exterior em janeiro, um crescimento de 32,6% em relação ao mesmo mês de 2016, US$ 908 milhões (mais de 84%) vieram da indústria, um incremento superior a 21%. Foi a maior taxa registrada desde 2014. O grupo das commodities alcançou US$ 162 milhões ( 184,2%), em função do desempenho da soja ( 490,5%). "É importante lembrar que o setor exportador carrega para 2017 uma base de comparação com o ano passado que está bastante deprimida. Mesmo que o bom desempenho de janeiro se repita ao longo dos próximos meses, estaremos devolvendo apenas uma parte das perdas dos últimos anos", disse o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), Heitor José Müller.
Das 23 categorias que registraram alguma operação de exportação, o destaque positivo ficou por conta dos produtos alimentícios (aumento de 45,7%), decorrente do desempenho de farelo de soja (74%), carnes de frango (37%) e suíno in natura (67,3%). O resultado de veículos automotores, reboques e carrocerias também foi expressivo (76,7%), especialmente devido à expansão da demanda para a Argentina (87,7%). Entre as categorias que reduziram os embarques no primeiro mês do ano, madeira (-42,9%), tabaco (-15,5%) e produtos químicos (-5,4%) sofreram os maiores recuos.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia