Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017. Atualizado às 10h04.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

15/02/2017 - 10h54min. Alterada em 15/02 às 11h07min

Volume de serviços prestados cai 5% em 2016 e tem maior perda desde 2012, diz IBGE

Avanço em dezembro foi puxado por uma melhora no setor de transportes

Avanço em dezembro foi puxado por uma melhora no setor de transportes


JOÃO MATTOS/JC
A taxa acumulada pelo volume de serviços prestados no ano de 2016 ficou negativa em 5,0%, a maior perda já registrada na série histórica. Em dezembro ante novembro, o aumento foi de 0,6%, na série com ajuste sazonal, informou nesta quarta-feira (15) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Na comparação com dezembro do ano anterior houve redução de 5,7% em dezembro de 2016, já descontado o efeito da inflação, de acordo com a Pesquisa Mensal de Serviços, iniciada em 2012. A queda foi a mais acentuada para o mês da série histórica, iniciada em 2012. Em novembro de 2016 ante novembro de 2015, a redução tinha sido de 4,6%. A taxa de novembro ante outubro foi revisada de 0,1% para 0,2%.
Desde outubro de 2015, o órgão divulga índices de volume no âmbito da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS). Antes disso, o IBGE anunciava apenas os dados da receita bruta nominal, sem tirar a influência dos preços sobre o resultado. Por esse indicador, que continua a ser divulgado, a receita nominal caiu 1,5% em dezembro de 2016 ante igual mês de 2015.
O avanço de 0,6% no volume de serviços prestados no País na passagem de novembro para dezembro foi puxado por uma melhora no setor de transportes, segundo o IBGE.
O segmento de Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio teve crescimento de 0,4% em dezembro, após uma alta de 2,3% já registrada em novembro. "O transporte de cargas aumentou em dezembro acompanhando o crescimento do setor industrial", justificou Roberto Saldanha, gerente da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE.
Houve crescimento também nos serviços prestados às famílias, que tiveram elevação de 2,0% em dezembro ante novembro. "Os dois setores cresceram, mas o principal impacto foi transportes. Os serviços prestados às famílias têm peso menor", explicou Saldanha.
Na direção oposta houve perdas nos serviços de informação e comunicação (-1,7%); serviços profissionais, administrativos e complementares (-1,3%); e no segmento de outros serviços (-1,2%).
"O setor de serviços não cresceu mais porque serviços de informação e comunicação caíram, são os que têm maior peso, e serviços profissionais e administrativos também recuaram. Esses dois setores juntos dão mais ou menos 57% do setor de serviços", contou o pesquisador do IBGE.
O agregado especial das Atividades turísticas apresentou crescimento de 3,1% em dezembro, na comparação com o mês imediatamente anterior.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia