Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 14 de fevereiro de 2017. Atualizado às 12h27.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

Alterada em 14/02 às 13h27min

Intenção é reduzir gradualmente a multa do FGTS, diz ministro do Planejamento

Para ministro, medida vai melhorar eficiência da economia, reduzindo custo do empresário

Para ministro, medida vai melhorar eficiência da economia, reduzindo custo do empresário


ANTONIO OLIVEIRA/ABR/JC
O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, afirmou nesta terça-feira (14), durante evento para lançamento do cronograma de saques do FGTS, que é intenção do governo reduzir gradualmente as multas, pagas pelas empresas tendo o fundo como referência, em caso de demissão de funcionários.
"Isso vai melhorar a eficiência da economia, vai reduzir o custo do empresário", afirmou. Dyogo citou ainda outras ações do governo, como as mudanças nos parâmetros do programa Minha Casa, Minha Vida. "Fizemos, na semana passada, a renovação do programa Minha Casa, Minha Vida. Significa, na prática, juros mais baratos para as famílias", disse.
Dyogo citou ainda que famílias com dificuldades para pagar prestação de financiamento poderá sacar até o equivalente a 12 prestações do FGTS. Antes, eram três prestações. "Medidas demonstram sensibilidade com a situação do trabalhador. Os trabalhadores começarão a ter acesso a estes recursos e poderão saldar dívidas e voltar a consumir, a dinamizar a economia brasileira", disse.
Participaram do evento sobre a liberação dos saques das contas inativas do FGTS o presidente Michel Temer, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, e o presidente da Caixa, Gilberto Occhi.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia