Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 12 de fevereiro de 2017. Atualizado às 15h18.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

12/02/2017 - 15h54min. Alterada em 12/02 às 16h20min

FMI diz que Trump será bom para economia dos EUA, mas alerta demais países

International Monetary Fund Managing Director Christine Lagarde speaks during an open discussion at the World Government Summit 2017, in Dubai's Madinat Jumeirah on February 12, 2017.  / AFP PHOTO / STRINGER

International Monetary Fund Managing Director Christine Lagarde speaks during an open discussion at the World Government Summit 2017, in Dubai's Madinat Jumeirah on February 12, 2017. / AFP PHOTO / STRINGER


AFP/JC
A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, disse que o presidente dos EUA, Donald Trump, assumindo o cargo, é provável que seja bom para economia americana no curto prazo, embora o aumento das taxas de juros e o fortalecimento do dólar devam desafiar o comércio global.
Lagarde disse que os planos de Trump para investimentos adicionais nos EUA em infraestrutura e suas prováveis reformas fiscais impulsionarão a economia. Entretanto, Lagarde reconheceu que as políticas de Trump provavelmente apertarão os mercados internacionais.
"Esse é um aperto que vai ser difícil na economia global e para as quais as economias têm de se preparar", disse Lagarde durante um evento da Cúpula Mundial de Governo em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.
Perguntada como o mundo perderá com a ascensão de Trump e a saída do Reino Unido da União Europeia, Lagarde descreveu "um impulso traiçoeiro" de antiglobalização e pensamento protecionista.
"Temos dito que a globalização é grande, o comércio internacional é grande, e realmente é", disse ela. "Mas não olhamos para aqueles que estavam mal ou que serão negativamente impactados", acrescentou.
Ela culpou esses impactos negativos em parte sobre a ascensão de robôs que ficarão em lugar de empregos, bem como o encolhimento dos ganhos da classe média global.
Lagarde cautelosamente evitou perguntas sobre seus pensamentos sobre Trump e suas decisões. Ainda assim, ela enfatizou a importância dos dados e fatos na tomada de decisões.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia