Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017. Atualizado às 20h02.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

11/02/2017 - 19h48min. Alterada em 13/02 às 21h03min

Padilha diz que saques das contas inativas do FGTS vão gerar empregos

Calendário de liberação do dinheiro das contas inativas começa em 14 de março

Calendário de liberação do dinheiro das contas inativas começa em 14 de março


GABRIELLA DI BELLA/Arquivo/JC
O ministro-chefe da Casa Civil, o gaúcho Eliseu Padilha (PMDB), afirmou que os saques das contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) vão ajudar a gerar empregos. A vinculação entre a liberação do dinheiro, que começará em 14 de março, e a solução para o desemprego no País foi citada pelo ministro logo após participar do programa Politiquim, do JC Vídeos, na redação do Jornal do Comércio nessa sexta-feira (10), em Porto Alegre.
Nesta terça-feira (14), o governo anuncia finalmente o calendário dos saques das contas. Padilha usou a liberação como exemplo das "20 hipóteses de medidas microeconômicas" que o governo federal estaria estudando para criar postos de trabalho. O País enfrenta o recrudescimento das taxas desde fim de 2015. A previsão é que o problema ainda persista em 2017, com taxas elevadas, devido ao retorno lento do crescimento.
O saldo das contas é estimado em R$ 42 bilhões, e o governo espera que 70% dos detentores busquem os recursos. Com isso, Padilha calcula que R$ 30 bilhões a R$ 35 bilhões seriam sacados. "Isso gerará muito muito emprego", aposta o ministro. O governo anunciou a medida em fim de 2016 na expectativa de que as pessoas usem o dinheiro para saldar dívidas, o que injetaria recursos no comércio e liberaria a capacidade para voltar a consumir. Ao mesmo tempo, muitos que não estão endividados devem buscar melhores alternativas de rendimento que o que é aplicado hoje às contas.  
O Palácio do Planalto anuncia nesta terça-feira o calendário que a Caixa Econômica Federal (Caixa) seguirá para as liberações. O período de saques vai de 14 de março a 31 de julho e deve observar os dias e meses de aniversário dos titulares das contas. Padilha explicou ainda que a data será uma referência de disponibilidade do dinheiro. Não será possível sacar antes, mas quem perder o dia poderá buscar o banco em qualquer mês até o limite da retirada, em julho. A Caixa deve lançar um aplicativo para auxiliar as pessoas a encontrarem as contas e saberem quando sacar.          
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia