Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017. Atualizado às 16h18.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 10/02 às 17h22min

Juros fecham em baixa com melhora nas projeções de inflação e dólar em queda

A aposta na melhora das expectativas de inflação em direção ao centro da meta de 4,5%, ou até abaixo dela, e também para a Selic, a serem trazidas na pesquisa Focus que o Banco Central publica na segunda-feira abriu espaço para a queda dos juros futuros. A sexta-feira (10), foi marcada por revisões para baixo nas projeções, divulgadas por algumas instituições financeiras.
O movimento de baixa foi endossado ainda pelo recuo da inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe) e do dólar ante o real e atingiu não somente os contratos de curto prazo, mas também os longos, mesmo com o aumento do rendimento da taxa dos Treasuries.
Ao final da sessão regular, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2018 fechou com taxa de 10,665%, de 10,715% no ajuste anterior, e o DI janeiro de 2019 fechou com taxa de 10,09%, de 10,14%. A taxa do DI janeiro de 2021 caiu de 10,31% para 10,26%.
A queda da inflação atestada pelos recentes índices de preços, sobretudo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de janeiro de 0,38%, e o comportamento favorável do câmbio têm levado o mercado a rever suas estimativas para o IPCA e para a Selic, como foi nesta sexta o caso do Itaú Unibanco, que alterou sua projeção para o índice este ano de 4,7% para 4,4%, portanto, abaixo da meta central de 4,5%. Para 2018, foi de 4,0% para 3,8%. A expectativa de Selic em 2017 passou de 9,75% para 9,25% e para 2018, de 8,50% para 8,25%.
Logo cedo, a Fipe informou que o IPC da primeira quadrissemana de fevereiro desacelerou a alta para 0,18%, de 0,32% no fechamento de janeiro. O dólar esteve em baixa ao longo da sessão e marcava R$ 3,1126 no segmento à vista, recuo de 0,47%, pouco depois das 16 horas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia