Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017. Atualizado às 07h03.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 10/02 às 08h05min

Bolsa de Tóquio tem maior alta em 1 mês, após comentários de Trump

A Bolsa de Tóquio fechou com a maior alta em um mês nesta sexta-feira (10), após o presidente dos EUA, Donald Trump, alimentar expectativas de cortes de impostos.
O Nikkei subiu 2,49%, a 19.378,93 pontos, registrando o maior ganho porcentual desde 4 de janeiro. Com isso, o índice que reúne as ações mais negociadas na capital japonesa encerrou a semana com valorização de 2,12%.
Ontem, Trump prometeu anunciar um "fenomenal" plano tributário nas próximas semanas, levando os mercados acionários de Nova Iorque a novos níveis recordes, e impulsionando os juros dos Treasuries e o dólar em relação ao iene. Durante a campanha eleitoral, o republicano prometeu cortes de impostos.
O enfraquecimento do iene tende a favorecer os negócios na bolsa japonesa, em especial com papéis de exportadoras, como do setor automotivo.
Entre montadoras, destacaram-se hoje Mazda (+4,61%) Toyota (+3,05%) e Nissan (+1,44%). Já o fabricante de robôs industriais Fanuc avançou 4,2% e a seguradora Dai-ichi Life Holdings teve alta de 4%.
Outro fator que contribuiu para o sentimento positivo no mercado japonês veio da China, cujas exportações e importações subiram bem mais do que o esperado em janeiro.
Há expectativa também para a reunião de hoje do primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, com Trump, na Casa Branca. Os dois líderes falarão em coletiva a partir das 16h (de Brasília).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia