Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 09 de fevereiro de 2017. Atualizado às 22h03.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Contas Públicas

09/02/2017 - 15h14min. Alterada em 09/02 às 23h08min

Técnicos da União analisam estatais em inspeção sobre renegociação de dívida do Estado

Feltes (centro) descarta venda do banco, mas técnicos da STN analisam todas as estatais

Feltes (centro) descarta venda do banco, mas técnicos da STN analisam todas as estatais


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Thiago Copetti
Os técnicos da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) que estão no Rio Grande do Sul começaram a passar um “pente fino” nas contas gaúchas, o que inclui todas as estatais. É a primeira vinda ao Estado para analisar as contas e formatar o possível acordo para renegociação da dívida com a União.
A equipe da STN analisa as despesas com pessoal até os balanços das empresas, explicou Edélcio de Oliveira, um dos técnicos que desembarcou em Porto Alegre na quarta-feira (8). Desse exame, deve sair a proposta federal para um novo acordo. Em março, nova visita deve ocorrer nos dias 8 e 9 de março.
“Para termos a real dimensão de todas as receitas e despesas do Estado, temos de analisar também as companhias estatais” explicou Oliveira, em entrevista coletiva realizada na Secretaria da Fazenda (Sefaz), na tarde desta quinta-feira (9).
Questionado sobre a possível inclusão do Banrisul nas negociações, o secretário estadual da Fazenda, Giovani Feltes, descartou abrir mão do capital. Feltes ressaltou que, no momento, o Estado considera apenas a possibilidade de federalização ou privatização da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), Sulgás e Companhia Riograndense de Mineração (CRM), cuja proposta neste sentido tramita na Assembleia Legislativa dentro das medidas de reestruturação do Estado que ainda aguardam apreciação. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia