Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 09 de fevereiro de 2017. Atualizado às 12h13.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 09/02 às 13h18min

Governo revisará previsão do PIB só em março conforme legislação

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que o governo só irá rever sua previsão para o crescimento do PIB em 2017, atualmente em 1%, em março, quando, legalmente, tem que divulgar o relatório bimestral de receitas e despesas.
Após participar de evento organizado pela Caixa, o ministro disse que o governo quer esperar a divulgação de indicadores antecedentes, como venda de papelão e consumo de energia, antes de fazer nova previsão para a atividade neste ano. "Concluímos que não há necessidade de fazer revisão do PIB neste momento. Está havendo uma série de mudanças importantes, uma inflexão positiva da economia brasileira", afirmou.
Meirelles voltou a destacar que para a Fazenda o mais importante é a comparação do crescimento do fim de 2017 com o fim de 2016, que será da ordem de 2%. Para o ministro, os analistas de mercado, que preveem crescimento de 0,5% neste ano, devem rever para cima suas projeções. "O país sim já está em trajetória de crescimento", afirmou.
Também em relação à receita o governo só fará novas avaliações em março, disse Meirelles. Ele ponderou que há uma série de questões a serem consideradas, como um novo programa de repatriação de receitas, que está em votação no Congresso, e o desempenho do programa de regularização tributária, além do próprio crescimento econômico.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia