Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 08 de fevereiro de 2017. Atualizado às 16h58.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Contas Públicas

08/02/2017 - 17h43min. Alterada em 08/02 às 17h58min

Custeio administrativo do governo federal cai 2,6% e soma R$ 34,9 bi em 2016

O governo federal gastou R$ 34,873 bilhões com despesas de custeio administrativo em 2016. De acordo com boletim divulgado pelo Ministério do Planejamento, o montante representa uma queda real de 2,6%. Sem descontar a inflação, os gastos cresceram nominalmente 5,1%. O boletim destaca que, desde 2013, os gastos com custeio tiveram queda real anualmente.
O maior ocorreu nos gastos com diárias, que somaram R$ 1,136 bilhão no ano passado, alta real de 17,2%. Houve crescimento também nas despesas com energia elétrica e água, que custaram aos cofres públicos R$ 2,63 bilhões, alta real de 5,6%.
Por outro lado, a maior queda foi registrada nos gastos com passagens aéreas, que alcançaram R$ 560 milhões, um recuo de 20,5%. No fim de 2015, o governo adotou um sistema centralizado de compra de passagens aéreas, que eliminou o uso de agências de viagem.
Também houve queda nas despesas com locação e conservação de imóveis, que somaram R$ 2,83, queda de 6,3%. Os principais gastos de custeio do governo foram com serviços de apoio (R$ 14,736 bilhões), que caíram 5,8%, e com material de consumo (R$ 4,836 bilhões), que teve queda de 7,2%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia