Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de fevereiro de 2017. Atualizado às 21h43.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Relações Internacionais

Notícia da edição impressa de 08/02/2017. Alterada em 07/02 às 22h09min

Temer e Macri almejam expansão de mercado

Presidentes querem ampliar as negociações com Europa, Japão, China, México e EUA

Presidentes querem ampliar as negociações com Europa, Japão, China, México e EUA


ANDRESSA ANHOLETE/AFP/JC
Brasil e Argentina pretendem criar condições para reforçar e expandir as relações comerciais com União Europeia, Japão, China, México e Estados Unidos. No encontro entre os presidentes dos dois países ontem, Michel Temer e Maurício Macri destacaram também o interesse em avançar nas negociações com a Aliança do Pacífico. Segundo o presidente argentino, a ideia é aproveitar uma reunião de chanceleres prevista para março, ainda sem local definido, para aproximar o Mercosul da Aliança do Pacífico, uma iniciativa de integração regional idealizada por Chile, Colômbia, México e Peru.
"Temos de levar adiante negociações como as com a União Europeia, Japão, China, México, Estados Unidos e com a Aliança do Pacífico. Haverá uma reunião de chanceleres em março para discutir as relações do Mercosul com os países da Aliança do Pacifico", disse Macri após assinar uma série de memorandos entre os dois países. O assunto foi abordado também durante a cerimônia de assinatura desses atos. Em seu discurso, Macri disse ter uma expectativa de que as parcerias resultem em um impulso histórico ao Mercosul e em um melhor posicionamento de Brasil e Argentina, não apenas no âmbito latino-americano. Segundo o argentino, 2017 será um "ano de inflexão positiva para o desenvolvimento dessa aliança estratégica e para o fortalecimento da relação do bloco com o mundo".
O Mercosul será presidido no primeiro semestre deste ano pela Argentina e no segundo semestre pelo Brasil. Neste período, o objetivo dos dois países é integrar mais o bloco e ampliar as relações diplomáticas com outras regiões do mundo. "É tempo de ampliar o comércio, ampliar os investimentos, ampliar oportunidades para argentinos e brasileiros, já que a esta altura, não há tabus na relação Brasil - Argentina", declarou Temer em discurso que antecedeu o tradicional almoço entre os chefes de Estado.
O presidente brasileiro destacou que a parceria ganha importância diante do contexto de "incertezas, do cenário internacional". "No momento em que ganham forças tendências de desunião, isolamento e protecionismo, Argentina e Brasil respondem com mais aproximação, mais diálogo, mais comércio", afirmou Temer, em referência à política protecionista empreendida pelo presidente norte-americano, Donald Trump.
Depois do discurso no Itamaraty, o presidente brasileiro entregou a Macri o colar da Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul, a mais alta condecoração brasileira conferida a chefe de Estado estrangeiro. O presidente argentino também discursou seguindo o mesmo tom amistoso, chegou inclusive a brincar dizendo que a rivalidade entre Brasil e Argentina deve ficar restrita ao futebol. Estiveram no almoço no Itamaraty autoridades dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, como o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes e os ex-presidentes da República, Fernando Collor e José Sarney, além de governadores e parlamentares.

Governador Sartori defende maior união com país vizinho

No encontro com Macri, Sartori falou sobre ganho de competitividade
No encontro com Macri, Sartori falou sobre ganho de competitividade
OTAVIANO FONSECA/DIVULGAÇÃO/JC
Uma agenda de integração econômica para aumentar a competitividade no mercado internacional foi a sugestão do governador José Ivo Sartori, durante encontro com o presidente da Argentina, Mauricio Macri. Sartori citou resultados alcançados na missão que liderou à Argentina, em 2016, onde alinhavamos parcerias, pois queremos dar 'peso' à região Sul, fortalecendo a economia e proporcionando mais destaque no cenário internacional".
Entre os exemplos citados pelo governador gaúcho, está a cooperação na área da proteína animal. A intenção é potencializar a participação agropecuária do Rio Grande do Sul, em conjunto com a Argentina, no mercado mundial de alimentos. O alvo é a exportação para países da Europa Ocidental e Sudeste Asiático, entre outros.
Sartori garantiu que essa aproximação entre o Rio Grande do Sul e o país vizinho deve ter continuidade. A Argentina é o maior parceiro do Estado no Mercosul. De acordo com os dados da balança comercial de 2015 (Mdic), o país vizinho foi o segundo principal destino das exportações gaúchas (7,26%), totalizando
US$ 1,27 bilhão.
 

Acordos são formalizados nas áreas de diplomacia, comercial e segurança

Esta é a primeira visita oficial de Mauricio Macri ao Brasil. Pela manhã, os dois chefes de estado se reuniram e assinaram acordos no Palácio do Planalto. Os memorandos de cooperação são nas áreas diplomática, comercial (inclusive de compras governamentais) e de segurança de fronteiras - o que inclui também a possibilidade de assistências em situações emergenciais e de cooperação em defesa civil nas regiões fronteiriças.
Também está prevista a cooperação entre agências de exportação e investimentos dos dois países. Um dos memorandos trata da parceria entre a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex) e a Agência Argentina de Investimentos e Comércio Internacional. Por meio dela, serão organizadas reuniões periódicas entre as duas agências; o intercâmbio de publicações e informações sobre os respectivos mercados; o estímulo à realização de missões comerciais entre os dois países; a assistência mútua à participação em feiras internacionais; e a promoção de contatos entre empresários para promover a colaboração comercial e industrial e a formação de sociedades mistas para atuar em terceiros países.
Macri e Temer assinaram também uma carta ao presidente do BID pedindo a realização de estudos sobre viabilidade de criação de uma agência para a convergência regulatória de Brasil e Argentina. Segundo Temer, essa cooperação regulatória ajudará a "tornar fluidos" os fluxos de comércio e de investimentos.
Para o presidente argentino, ao estabelecer critérios técnicos sanitários e fitossanitários, a agência a ser criada "fortalecerá a integração produtiva".

Meirelles diz que é hora de 'recuperar tempo perdido'

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse ontem que os governos de Brasil e Argentina decidiram "recuperar o tempo perdido" em suas relações de parceria.
Entre os temas de relevância econômica tratadas entre os países estão comércio exterior, situação tributária e redução de barreiras não tarifárias, como ambiental e fitossanitárias.
"O fato novo é que os dois governos resolveram de fato recuperar o tempo perdido e avançar em uma série de temas comuns aos dois países. No caso da Fazenda, estamos discutindo revisão da convenção para evitar a bitributação, que data já de muito tempo, e está desatualizada. Ambos concordamos que é necessário mudar e está avançando muito bem", disse Meirelles.
Segundo o ministro brasileiro, foi discutida também a inclusão em um tratado internacional para evitar a erosão da base tributária. Também o tratamento igualitário da tributação de pessoas físicas brasileiras na Argentina também foi debatido entre as autoridades.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia