Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 05 de fevereiro de 2017. Atualizado às 17h27.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Tecnologia

05/02/2017 - 17h15min. Alterada em 05/02 às 18h28min

Campus Party se renova, mas decepciona visitantes

Evento ocorreu entre 31 de janeiro e 04 de fevereiro em São Paulo

Evento ocorreu entre 31 de janeiro e 04 de fevereiro em São Paulo


Gabriel Maciel/Cintia Souza/
A Campus Party vive um conflito. Após passar por uma crise financeira, o encontro de apaixonados por tecnologia tentou se renovar na décima edição por meio da diversidade. Em vez de trazer especialistas em ciência, tecnologia e inovação, como tradicionalmente fazia, a Campus atirou para todos os lados, colocando nos palcos grafiteiros, youtubers, biomédicos. A mudança de perfil, porém, não agradou a uma parte fundamental da Campus: os campuseiros.
"O evento perdeu um pouco da sua essência", resume o organizador da caravana da cidade de Maringá, no Paraná, André Lima. Na Maringeek, Lima trouxe cerca de cem pessoas, que esperavam uma décima edição da feira "histórica". No entanto, ele se decepcionou. "Tem muita coisa diferente dentro da feira", disse Lima ao Estado, referindo-se à variedade de temas em discussão. "Além disso, alguns problemas antigos já deveriam ter sido resolvidos, como a falta de Wi-Fi e de ar-condicionado."
Os problemas de infraestrutura são velhos conhecidos da organização do evento. A Maringeek, porém, não quis continuar esperando pela solução. Eles criaram sua própria rede Wi-Fi, livre para ser usada por quem quiser. Além disso, esses campuseiros usaram a bancada onde se instalaram para criar uma espécie de estande, com competições do jogo Just Dance e distribuição de brindes, como camisetas personalizadas.
"A organização escondeu a competição de Just Dance, que era tradicional na Campus, nos fundos da feira", diz Lima. "Não tem mais grandes estandes, que distribuíam brindes e presentes. Quem está fazendo a feira são os campuseiros."
Na prática, os participantes passaram mais tempo em atividades entre eles do que engajados em atividades oficiais. Estandes de marcas ficaram vazios grande parte do tempo, enquanto as bancadas e os corredores estavam sempre lotados. "A feira está ruim, mas está ótimo para fazer negócios e conhecer novos parceiros", disse Antonio Diamin, sócio de uma startup de biochips. "A Campus está acontecendo nas mesas." 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia