Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 03 de fevereiro de 2017. Atualizado às 19h27.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 03/02 às 20h31min

Bolsas de Nova Iorque sobem, com melhor desempenho do setor financeiro desde novembro

Índice Dow Jones fechou em alta de 0,94%, a 20.071,46 pontos

Índice Dow Jones fechou em alta de 0,94%, a 20.071,46 pontos


YASUYOSHI CHIBA/AFP/JC
As bolsas de Nova Iorque fecharam em alta na sessão desta sexta-feira (3), impulsionadas pelo setor financeiro. Os bancos registraram fortes ganhos no pregão, influenciados pelo decreto assinado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que ordena uma revisão da lei Dodd-Frank de regulação financeira. A expectativa de menos regulações chegou a beneficiar os bancos antes da assinatura do decreto. Além disso, a geração de empregos acima do esperado em janeiro nos EUA também beneficiou os mercados acionários, assim como as sanções do governo Trump contra o Irã.
O índice Dow Jones fechou em alta de 0,94%, a 20.071,46 pontos; o S&P 500 avançou 0,73%, para 2.297,42 pontos e o Nasdaq ganhou 0,54%, a 5.666,77 pontos, registrando novo recorde de fechamento. Na semana, o Dow Jones caiu 0,11%; o S&P subiu 0,12% e o Nasdaq teve alta de 0,11%. Foi o melhor resultado do setor financeiro desde 14 de novembro.
Depois de um longo rali no fim de 2016, após as eleições presidenciais dos EUA, as ações de companhias ligadas ao setor financeiro voltaram a subir fortemente com as primeiras medidas do governo Trump quanto a regulações do sistema financeiro americano. Nesta sexta-feira, o republicano assinou um decreto que prevê a revisão da Dodd-Frank - simbolizando o início de ações de seu governo nesse segmento.
Com isso, os papéis de bancos foram os maiores beneficiados da sessão. O Goldman Sachs subiu 4,54%; o Morgan Stanley avançou 5,48%; o Citigroup ganhou 3,16%; o JPMorgan teve alta de 3,01%; e o Bank of America teve expansão de 2,55%.
Além de uma revisão na Dodd-Frank, Trump promoveu, em um decreto, uma revisão na "regra fiduciária", que exige que profissionais financeiros coloquem o interesse de seus clientes em primeiro lugar, ao dar conselhos sobre investimentos de aposentadoria.
Além disso, sanções do governo Trump a 25 entidades e indivíduos iranianos influenciaram papéis de companhias do setor de energia. Segundo analistas, os preços do petróleo podem voltar a ser influenciados por tensões geopolíticas. Com isso, a Chevron subiu 1,23% e a ConocoPhillips ganhou 3,55%.
Dados positivos do Departamento de Trabalho também influenciaram positivamente as bolsas de Nova Iorque. A economia americana criou 227 mil postos de trabalho em janeiro, resultado bem acima do esperado por analistas consultados pela Dow Jones Newswires, que estimavam criação de 174 mil vagas. Por outro lado, a taxa de desemprego aumentou levemente, para 4,8%, enquanto o ganho médio por hora teve alta de US$ 0,03 (0,12%), ante previsão de 0,3% dos economistas.
"Os dados econômicos e balanços corporativos, em sua maioria, têm sido incrivelmente bons. Não apenas nos EUA, mas em todo o mundo", disse Jim Paulsen, estrategista-chefe de investimentos da Wells Capital Management. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia