Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 28 de fevereiro de 2017. Atualizado às 22h49.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Fernando Albrecht

Começo de Conversa

Notícia da edição impressa de 01/03/2017. Alterada em 28/02 às 21h25min

Terminou

BETO RODRIGUES/DIVULGAÇÃO/JC
Embora oficialmente a temporada de veraneio termine dia 15 de março, o nascer do sol só será visto de novo a partir de dezembro, salvo as fugidas ao Litoral em feriadões, mas sem a magia da praia. Em termos de água e tempo, não dá para se queixar. Calor de verdade, o ponto de encontro das correntes fria das Malvinas e a quente que desce deve ter mudado, e as águas estavam limpas azuis ou verdes. Há cada vez mais águas-vivas, mas os siris de antigamente se mandaram.

A maldição

Em algum momento do passado, Porto Alegre passou a sofrer uma maldição. Além dos sapões enterrados no Cais do Porto, ela instrui seus administradores que obras públicas de curta duração sejam começadas e terminadas entre o início de janeiro e o fim de fevereiro. Vide o asfaltamento da avenida Osvaldo Aranha.

Sem cheiro de lança no ar

Todos nós mais veteranos lamentamos a extinção do Carnaval e suas marchinhas, ao ponto de até hoje as músicas carnavalescas dos anos 1940 e 1950 serem cantadas pelos mais jovens. Esse Carnaval terminou, e finou-se em uma velocidade estonteante. Parece que foi ontem, e foi mesmo. O Rei Momo foi extinto. Nunca mais receberá as chaves da cidade das mãos do prefeito e, dentro de alguns anos, ele será visto como uma lenda urbana.

O mal que ela faz

A questão maior da soltura do goleiro Bruno pelo ministro do STF Marco Aurélio Mello não é o ato jurídico em si. É o reforço da sensação de impunidade. Melhor dizendo, a própria. Faça o crime que fizer, mesmo com requintes de crueldade, a pena será pouca, e você está de novo na rua cumprindo um terço se tanto da pena. Tudo está profundamente errado, tudo.

Faroeste na vila

Por motivo de tiroteio, fechou mais um posto de saúde da Capital. É um fato recorrente em Porto Alegre, como alerta o sempre alerta presidente do Simers, Paulo de Argollo Mendes. Nos saloons do Velho Oeste, havia um cartaz em cima do piano em que se lia "Favor não atirar no pianista". A exemplo deles, os postos poderiam ter um cartaz com os dizeres "Não atire no pessoal da saúde. Um dia você precisará dele".
 

O recorde de veículos...

Mesmo com pouco dinheiro no bolso graças a mal afamada crise, pelo segundo ano consecutivo, no sábado de Carnaval (25) a free way teve tráfego recorde em um único dia. Segundo a Triunfo Concepa, ao todo, 84,061 mil veículos passaram pela praça de pedágio de Santo Antônio da Patrulha em direção às praias gaúchas e catarinenses durante todo o dia.

...e outro de irresponsabilidades

Quem saiu da Capital em torno das 8h da manhã de sábado levou mais de quatro horas até o entroncamento com a Estrada do Mar. Ou estava tudo parado, ou se ia a passo de cágado, que só melhorava na altura da lagoa. E aí, irmãos e irmãs, se viu um retrato do Brasil. Gente cortando o fluxo sem dar pisca para ganhar centímetros, outros trafegando pelo acostamento no trecho não permitido, e por aí foi.

Engajamento comunitário

Representantes de uma comunidade da Cidade Baixa reuniram-se com autoridades municipais e estaduais de segurança, incluindo o secretário César Schirmer, para acertar uma forma de colaborar com as forças da lei. Um oficial presente disse a líder do movimento que era contrário ao uso do WhatsApp para alertar sobre a presença de malfeitores na região, que o caminho era o 190. Bem, quem não tem cão caça com gato.

Encontro de Executivos

A Federasul convidou todos os executivos de associações comerciais e industriais no Rio Grande do Sul para traçar o planejamento estratégico de 2017. A programação acontece na terça-feira (07/03), no Palácio do Comércio, a partir das 9h, quando também serão apresentadas as modalidades de soluções empresariais.

Solidariedade sem fronteiras

Rosane Ferreira, PhD em Oftalmologia Pediátrica, do Instituto Ver, que funciona na sede da agência Martins Andrade, fundada pelo publicitário João Firme, está dando aulas para oftalmologistas na Johns Hoppkins School. Ela liderou com os Publicitários Sem Fronteiras a criação do Teste do Olhinho.

Miúdas

  • DAVA medo trafegar pela cidade deserta segunda-feira de manhã. Pedintes às dúzias nas esquinas mais movimentadas.
  • MAIORIA, a julgar pelas roupas, ficaram sem dinheiro com as festas do Carnaval.
  • MAS nem tudo está perdido. Hoje é o dia 1 de janeiro, quando realmente começa o ano novo.
  • ADEUS à diferença. O salário médio da indústria na China já é maior que o nosso. A informação é do Valor Econômico.
  • COLUNISTA social Paulo Gasparotto deixa o jornal O Sul/Rede Pampa. Vai se dedicar ao seu blog.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia