Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 08 de março de 2017. Atualizado às 22h31.

Jornal do Comércio

JC Logística

COMENTAR | CORRIGIR

Mobilidade Urbana

Notícia da edição impressa de 09/03/2017. Alterada em 08/03 às 22h30min

Alstom suspende contrato com o VLT carioca

Sistema de transporte urbano funciona desde o ano passado na revitalizada área central do Rio de Janeiro

Sistema de transporte urbano funciona desde o ano passado na revitalizada área central do Rio de Janeiro


FERNANDO FRAZ/ABR/JC
Às vésperas do Carnaval, um sinal amarelo acendeu para o VLT, o bonde que corta o Centro da cidade do Rio de Janeiro. A multinacional francesa Alstom, responsável pela fabricação e assistência técnica das 20 composições em operação, decidiu suspender por tempo indeterminado seu contrato com a concessionária VLT Carioca. A empresa alega que há oito meses a concessionária não paga pelos serviços contratados. Segundo a Alstom, a dívida chega a R$ 100 milhões.
Além de fornecer os trens, a Alstom é responsável pelos serviços de manutenção e pela eletrificação dos trilhos, e também cuida dos sistemas de sinalização e telecomunicações. Questionado se a decisão da fornecedora poderia levar a uma eventual interrupção na operação do VLT, a concessionária não deu uma resposta. Em nota, o VLT Carioca informou apenas que "para garantir a qualidade e eficiência da operação, poderá buscar outros fornecedores no mercado". No mesmo comunicado, a concessionária afirma que renegocia pagamentos de dívidas, mas não divulgou os valores.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia