Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017. Atualizado às 23h07.

Jornal do Comércio

JC Logística

COMENTAR | CORRIGIR

Combustíveis

Notícia da edição impressa de 23/02/2017. Alterada em 22/02 às 17h24min

Bolívia quer vender o excedente de gás

A Petrobras está importando 45% do volume máximo contratado

A Petrobras está importando 45% do volume máximo contratado


AG/DIVULGAÇÃO/JC
O ministro de Hidrocarbonetos da Bolívia, Luis Alberto Sánchez Fernández, disse que o excedente de gás do País que não está sendo consumido pela Petrobras poderá ser negociado com novos clientes no Brasil. Após reunião com o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, Fernández disse que a Bolívia quer negociar a venda de gás para outros mercados, como por exemplo, as termelétricas. "Até 15 de março, a Petrobras vai nos dar uma projeção e, a partir dessa projeção, teremos a definição de outros mercados", disse.
Segundo o ministro boliviano, historicamente a Petrobras importa entre 28 milhões e 30 milhões de m3 de gás da Bolívia por dia, mas atualmente esse volume caiu para 15 milhões de m2/dia. "Em função dessa projeção, eu teria a capacidade de entregar outros volumes, fundamentalmente para empresas brasileiras", disse. Segundo a Petrobras, a importação de gás boliviano está em cerca de 45% do volume máximo diário.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia