Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 19 de fevereiro de 2017. Atualizado às 21h10.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

Opinião

Notícia da edição impressa de 20/02/2017. Alterada em 19/02 às 21h05min

Expectativas sobre o cooperativismo financeiro

Gustavo Saltiél
O ano de 2017 promete ser de incerteza no cenário econômico internacional, mas com perspectivas de melhora no mercado interno. Como ficou claro nas duas últimas reuniões do Copom, a tendência, para 2017, é de queda da taxa Selic, o que, de fato, já está acontecendo. Mas a grande questão é: de quanto será esta queda? Até onde vamos chegar? Esse quadro engloba fatores e expectativas diversas.
O que se pode afirmar é que existe, sim, uma forte tendência de continuidade na redução da taxa Selic alicerçada, principalmente, pela necessidade de estímulos ao desenvolvimento produtivo e econômico no Brasil. Em uma visão mais conservadora, considera-se que a taxa Selic deva finalizar o ano de 2017 próximo a 11,5%. Numa projeção moderada, ficaria entre 10% e 11,5%, e, arrojada, abaixo de 10%, com possibilidades de chegarmos próximo a 9,5% ainda neste ano.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia