Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 30 de janeiro de 2017. Atualizado às 18h40.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

Alterada em 30/01 às 19h40min

Temer diz que sigilo das delações é decisão do STF e 'não dará palpite'

Presidente afirmou, anteriormente, que homologação poderia atrapalhar a economia do País

Presidente afirmou, anteriormente, que homologação poderia atrapalhar a economia do País


ANDRESSA ANHOLETE/AFP/JC
O presidente Michel Temer (PMDB) considerou "correta" a decisão da presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármem Lúcia, de homologar as 77 delações da Odebrecht. "Acho que a presidente Carmem Lúcia, que até tinha pré-anunciado sua decisão para hoje ou amanhã, fez o que deveria fazer. E nesse sentido fez corretamente", disse.
Em outras ocasiões, Michel Temer tinha afirmado que a homologação das delações, antes da escolha do novo ministro do STF, poderia atrapalhar as ações do governo e a economia do País.
Em Serra Talhada, o presidente Temer disse que não pode "dar palpite" sobre a decisão da presidente do STF. "Ela manteve o sigilo e essa é uma decisão do Judiciário, eu não posso dar palpite em delação", afirmou.
Questionado se não temia vazamentos seletivos e de que forma eles poderiam prejudicar o seu governo, Temer disse "eu não sei". "De vez em quando sai um ou outro, mas eu confesso que estando lá no Supremo eu duvido que haja vazamento", afirmou, destacando que conhece "a seriedade, a competência, a extraordinária capacidade administrativa e judicial da presidente Cármen Lucia". "Tenho certeza de que vazamento não haverá", reforçou.
Cercado de ministros pernambucanos, o presidente não respondeu sobre o impacto do possível envolvimento de auxiliares nas delações e se isso afetaria a reforma ministerial.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia