Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 23 de janeiro de 2017. Atualizado às 21h48.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Governo do Estado

Notícia da edição impressa de 24/01/2017. Alterada em 23/01 às 21h39min

PSB quer manutenção no comando de secretarias

Maria Helena

Maria Helena


PALÁCIO PIRATINI/JC
Depois de o governador José Ivo Sartori (PMDB) nomear a primeira-dama Maria Helena Sartori (PMDB) para a pasta do Desenvolvimento Social, Trabalho, Justiça e Direitos Humanos, o presidente do PSB gaúcho, Beto Albuquerque, e a bancada de deputados estaduais assinaram uma nota criticando a nomeação da primeira-dama para a secretaria. O secretário-geral de Governo, Carlos Búrigo (PMDB), assumiu a tarefa de apagar o incêndio. 
Na última reforma administrativa, aprovada no final do ano passado, a Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social - comandada pelo PSB - foi fundida com a de Justiça e Direitos Humanos - comandada por Maria Helena. Ex-secretário do Trabalho, Catarina Paladini (PSB) reassumiu uma vaga na Assembleia Legislativa antes da fusão.
"Se tivesse ficado, teria assumido a pasta. Mas tenho certeza que o governo vai reconhecer a importância do PSB na gestão. Creio que isso deve se resolver ao longo da semana", garantiu o parlamentar - que deve assumir a liderança da bancada neste ano.
Em nota, Búrigo disse que o partido é de "extrema relevância" ao governo e que pretendia dialogar para contornar o desconforto causado pela nomeação de Maria Helena. Entretanto, pelo menos até ontem, Catarina Paladini disse que não havia sido contatado por ninguém do governo sobre o tema.
No ofício do PSB, os signatários sustentam que "não estão esclarecidas para a sigla as razões de interinidade adotada pelo governo na gestão da nova Secretaria do Desenvolvimento Social, Trabalho e Justiça, recém implantada". E questionam: "Afinal, esta secretaria seguirá ou não sob a responsabilidade do PSB? O PSB seguirá integrando o governo em duas secretarias ou não?".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia