Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 21 de janeiro de 2017. Atualizado às 11h49.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

STF

20/01/2017 - 14h27min. Alterada em 21/01 às 12h53min

Teori Zavascki será velado no plenário do TRF em Porto Alegre neste sábado

Para marcar o luto da morte do ministro, bandeiras foram colocadas em meio pau a sede do TRF4

Para marcar o luto da morte do ministro, bandeiras foram colocadas em meio pau a sede do TRF4


FREDY VIEIRA/JC
Patrícia Comunello
Atualizada às 16h30min
O corpo do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki, morto em acidente aéreo nessa quinta-feira (19) em Paraty, será velado neste sábado (21) no plenário do Tribunal Regional Federal da 4ª região (TRF4), em Porto Alegre. A família do ministro, morto em acidente aéreo em Paraty nessa quinta-feira (18), decidiu fazer no local.
O presidente em exercício do TRF4, Carlos Eduardo Thompson Flores, teve a confirmação em ligação da presidente do STF, Cármen Lúcia. O velório começa às 11h, e o enterro será a partir das 18h no cemitério Jardim da Paz. O arcebispo metropolitano de Porto Alegre, Dom Jaime Spengler, vai rezar a missa de corpo presente.
"Ela ligou e disse que quer estar presente quando o corpo chegar", comentou Flores. Cármen Lúcia deve chegar na tarde desta sexta à Capital. O desembargador lembrou que falou com o genro de Teori, o juiz federal Fernando Zandoná, no fim da tarde dessa quinta, após a confirmação da morte, colocando o plenário à disposição dos familiares para a despedida.
Vai ser o segundo velório a ser feito no plenário, em 14 anos de operação do complexo. O único que até hoje havia sido feito foi em agosto de 2009 do desembargador João Surreax Chagas. Este tipo de cerimônia estava suspenso. 
Vamos ao TRF fazer registro de luto pela morte do Teori Zavascki e tentar ouvir servidores para captar o clima da perda.
A estimativa no órgão é que o corpo chegue no fim da noite, com saída do Rio de Janeiro. Uma funerária fluminense está cuidando do desembaraço do corpo. As definições sobre o funeral estão sendo feitas pela família com o STF, e o TRF apoiará na segurança. 
Desde o começo da manhã, as bandeiras posicionadas na frente do complexo judiciário, situado na rua Otávio Francisco Caruso da Rocha, 300, estão a meio pau em sinal de luto. Teori atuou como desembargador federal entre 1989 e 2003, ocupando vaga destinada pela Constituição Federal à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Nesta função, ele presidiu o tribunal entre 2001 e 2003.
O ministro do STF inaugurou a nova sede, o que ocorreu em 2002. No nono andar, a foto de Teori está na galeria de ex-presidentes. Ellen Gracie Northfleet, ex-ministra do STF, também tem foto na galeria por ter presidido a corte regional entre 1997 e 1999.

Teori: "Um homem discreto"

Entre as cerca de mil pessoas que trabalham no complexo, o servidor da diretoria judiciária Regaldo Amaral Milbradt tem uma lembrança especial de Teori. Milbradt foi diretor judiciário quando o ministro presidiu o órgão. O servidor descreve o magistrado como "um sábio". "Pela maneira de se portar, de conduzir as coisas sempre buscando o caminho correto para a boa decisão", resume o servidor, reforçando:
"O Teori sempre decidiu, doa a quem doer, da melhor maneira possível." A discrição era a marca do então presidente na rotina. "Ela era muito prático, falava muito pouco, tinha um poder de síntese espetacular. Trazíamos laudas, e ele reduzia para poucas linhas e conseguia transmitir muito melhor." Milbradt recebeu a noticia da norte em um telefonema de um colega.
"Liguei a televisão que temos aqui na sala para conferir. Fiquei chocado com a notícia. Mas são as peças que a vida nos trás." A última vez que o servidor havia encontrado com o ex-presidente foi em uma cerimônia de posse na sede do TRF. "Eu o cumprimentei e achei muito engraçado porque ele me achou mais careca. Aí, olhei para ele e nos abraçamos. Foi assim que vi pela última vez o 'desembargador' Teori."   
O presidente em exercício do TRF4 reforçou a percepção sobre a personalidade de Teori. "Era um homem muito discreto e estudioso." Flores atuou próximo ao ex-desembargador por pelo menos dez anos. Quando o agora magistrado estava na carreira do Ministério Público Federal e depois no tribunal. "Assumi aqui quando o ministro presidia o tribunal", recorda o presidente em exercício. Sobre a morte, o magistrado reage: "Até agora estamos surpreendidos pela tragédia que se abateu no Brasil", descreveu.
Sobre o futuro do processo da Operação Lava Jato, Flores observou que "todo o Brasil está preocupado com a continuidade". Teori era o relator do processo no STF. "Todos querem que o processo ande e tenha seu resultado", projetou. Sobre comentários e suspeitas de que a queda do avião poderia não ter sido um acidente, o desembargador resumiu: "Qualquer pessoa que emitir opinião sobre isso é uma irresponsabilidade." 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia