Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 18 de janeiro de 2017. Atualizado às 20h23.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 18/01 às 21h24min

Brasil vive momento favorável com queda da inflação, diz Meirelles

Agência Brasil
O Brasil vive um momento favorável com a queda da inflação, disse hoje (18) o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Em entrevista exclusiva à Voz do Brasil, ele comentou a participação do Brasil no Fórum Econômico Mundial em Davos (Suíça) e afirmou que as medidas de ajuste fiscal tomadas pelo governo ajudam o Banco Central a reduzir os juros.
"Nós encontramos, no meio do ano passado, um país com a inflação excessivamente elevada, com mais de 10% [no acumulado de 12 meses] e estamos fazendo um trabalho de ajuste fiscal, que também tem um efeito de queda de inflação [porque o governo gasta menos e reduz a quantidade de dinheiro em circulação na economia", declarou o ministro pouco antes de embarcar de volta para Brasília.
De acordo com Meirelles, o Banco Central está fazendo um movimento bem-sucedido de corte dos juros básicos da economia após a inflação começar a cair.
Segundo ele, a desaceleração dos índices de preços permitiu ao Banco Central ampliar a redução da taxa Selic (juros básicos da economia) na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). Para o ministro, a aceleração no corte de juros ajudará o país a retomar o crescimento em 2017 ao baratear o crédito.
"A inflação tem caído consistentemente, permitindo ao Banco Central cortar os juros. Inclusive, na última decisão, cortamos [a taxa Selic em] 0,75 ponto percentual, aumentando o corte. Primeiro, porque é resultado da queda da inflação. Isso é bom para todos. Segundo, porque, com a taxa de juros menor, teremos condições de reduzir cada vez mais o custo do crédito, facilitando e barateando o consumo e o investimento", acrescentou Meirelles.
Em relação às perspectivas para o Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país), o ministro disse ser consenso de que a economia voltará a crescer este ano. Ele informou ser possível que o país volte a crescer neste trimestre.
"Todos concordam que o Brasil vai crescer em 2017 e, portanto, vai criar empregos. A economia começa a crescer neste trimestre. No decorrer do ano, a taxa de desemprego vai cair, principalmente no segundo semestre", comentou.
Sobre a participação do Brasil no Fórum Econômico Mundial, o ministro reiterou o discurso dos últimos dias, de que o país está voltando a atrair o interesse de investidores estrangeiros após a aprovação do teto de gastos federais e o envio ao Congresso da proposta de reforma da Previdência. Ele também citou as medidas de redução da burocracia e de reformas microeconômicas anunciadas no fim do ano passado como fator que estimulará os investimentos externos no país.
"Todas as medidas [tomadas pela equipe econômica] foram de grande interesse e atraíram muitas perguntas dos investidores. Existiram manifestações frequentes de empresas e de investidores que declararam ter planos de investir no Brasil ou que já estão investindo e pretendem aumentar o investimento. Acho que o Brasil está na direção certa", disse Meirelles.
"Acho que, de fato, o Brasil é destaque em termo de oportunidade, de investimentos para o mundo, principalmente porque está fazendo reformas fundamentais e, ao mesmo tempo, saindo de uma recessão e entrando em período de crescimento", concluiu.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia