Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 18 de janeiro de 2017. Atualizado às 21h29.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Reestruturação do Estado

Notícia da edição impressa de 19/01/2017. Alterada em 18/01 às 21h36min

Grupos que se opõem ao pacote do governo Sartori realizam eventos no Centro da Capital

Dois grupos contrários ao pacote de austeridade do governo do Estado - a extinção de fundações e autarquias foi sancionada na terça-feira pelo governador José Ivo Sartori (PMDB) - reúnem-se hoje para apontar riscos e consequências trazidos pelas medidas de reestruturação estatal.
Às 10h30min, a Frente Jurídica em Defesa das Fundações concede entrevista coletiva à imprensa, na qual apresentará "as consequências jurídicas e estratégias de enfrentamento judicial" às propostas de extinção. O grupo é integrado pelos escritórios de advocacia que representam as entidades e associações ligadas aos servidores. A reunião acontecerá em um prédio em frente ao Paço Municipal, na rua Uruguai, 240, 3º andar, sala 301.
Já às 17h30min, no Largo Glênio Peres, integrantes da Campanha em Defesa do Trabalho, dos Direitos e do Patrimônio Público realizará uma aula pública com o juiz do trabalho Tiago Mallmann Sulzbach; Bernadete Menezes, da Intersindical e Auditoria Cidadã da Dívida; e Cláudio Augustin, presidente do Sindicato dos Servidores Públicos (Sindsepe) do Estado. O evento tratará, mais especificamente, da "tentativa de retirada de direitos históricos conquistados pelo povo brasileiro e gaúcho", além de chamar a atenção para "a ilegitimidade da chamada dívida pública e de outros mecanismos perversos, como subsídios aos mais ricos e sonegação de impostos por parte de grandes empresas".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia