Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 25 de janeiro de 2017. Atualizado às 23h00.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

Artigo

Notícia da edição impressa de 26/01/2017. Alterada em 25/01 às 23h53min

A redução de leitos hospitalares

Humberto Goulart
Conforme relatórios que recebemos de entidades da área de saúde, em dois anos, o Rio Grande do Sul perdeu cerca de 470 leitos hospitalares reservados a pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS).
Estima-se que, com a crise financeira no Brasil, muitas pessoas deixem de contratar ou pagar planos de saúde, com a expectativa de serem atendidas pelo SUS e tenham a disponibilidade de leitos, o que será muito difícil de ocorrer, pois a crise financeira também afeta os hospitais e instituições de saúde, acumulando o alto número de atendimento, principalmente à população carente e os que estão com doenças em estágios avançados. De acordo com a Federação das Santas Casas e Hospitais Beneficentes, Religiosos e Filantrópicos do Estado, com a redução de leitos no Rio Grande do Sul, cerca de 2,8 mil pessoas deixaram de ser internadas mensalmente.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia