Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 24 de janeiro de 2017. Atualizado às 21h33.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

Editorial

Notícia da edição impressa de 25/01/2017. Alterada em 24/01 às 22h29min

Ajuda federal ao Estado não pode demorar mais

Governadores do Rio Grande do Sul nas últimas décadas tomaram diferentes medidas para tentar contornar as dificuldades de um Estado endividado. Mesmo com os esforços, o governo fechou com déficit orçamentário em quase todos os exercícios dos últimos 40 anos.
Na segunda metade dos anos 1990, na gestão Antonio Britto (PMDB, 1995-1998), a dívida do Estado foi renegociada, sendo consolidada com a União. Desde então, a economia nacional mudou, a começar pela inflação, que influenciou na fórmula utilizada na época para definir o indexador que corrigiu essa dívida ao longo dos anos.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia