Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 24 de janeiro de 2017. Atualizado às 17h13.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

Artigo

Notícia da edição impressa de 24/01/2017. Alterada em 24/01 às 18h18min

Uma Câmara independente e fiscalizadora

André Carús
Iniciada a nova legislatura na Câmara Municipal, muitos são os desafios do Parlamento na busca de consensos sobre o que é melhor para cidade, a partir da mediação com a sociedade. Nesse sentido, a formação de um bloco político independente - a exemplo dos blocos da oposição e base - é de suma importância, sobretudo para o exercício da independência entre os Poderes e a representação da voz das ruas. A independência dos vereadores frente aos desafios do presente e do futuro de Porto Alegre pode resultar em pactos importantes que vão além da governabilidade. Votar no que for positivo e fiscalizar com responsabilidade o que não está funcionando de maneira adequada é um caminho que consagra este conceito de atuação, cujo maior beneficiado é o cidadão.
A nova administração da prefeitura de Porto Alegre deve, portanto, aprofundar cada vez mais o diálogo com a Câmara, afinal uma primeira etapa da reforma administrativa proposta foi aprovada e, conforme o próprio texto, em 120 dias deve ser apresentada a segunda etapa desse processo. E nós cobraremos os resultados. Acredito que a superação das dificuldades nas contas públicas municipais passa pela distinção entre gastos e investimentos. Cortar o supérfluo é fundamental, sem prejuízo da atenção às áreas essenciais como saúde, segurança, educação, emprego e assistência social, temas definidos como prioritários pela gestão eleita ainda na campanha eleitoral. Por isso defendemos um Parlamento independente e fiscalizador, livre dos acordos e dos ranços partidários, que trabalhe a favor da cidade e dos cidadãos.
Vereador de Porto Alegre (PMDB)
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia