Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 18 de janeiro de 2017. Atualizado às 21h29.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

Editorial

Notícia da edição impressa de 19/01/2017. Alterada em 18/01 às 21h32min

A queda da taxa de juros e a confiança na economia

A decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) de reduzir a taxa básica de juros da economia (Selic) em 0,75 pontos percentuais, para 13%, foi saudada como uma ótima notícia neste início de 2017. A última vez que um corte deste tamanho tinha sido feito foi há quase cinco anos, em abril de 2012.
O presidente do BC, Ilan Goldfajn, já havia reforçado, no final do ano passado, que a autoridade monetária iria intensificar o ritmo de corte da taxa Selic. Havia uma grita, com razão, do empresariado para que os juros caíssem. E até o presidente Michel Temer (PMDB) ajudou nessa pressão, com declarações de que esperava, de fato, esse movimento.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia