Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 27 de janeiro de 2017. Atualizado às 18h10.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

Alterada em 27/01 às 19h13min

Trump diz que renegociará questões comerciais com o México e será bom para ambos

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, voltou a comentar sobre as relações do país com o México, após ter assinado um decreto esta semana, em que ordenava o início da construção de um muro na fronteira com os dois países. Em coletiva de imprensa ao lado da premiê do Reino Unido, Theresa May, Trump disse que teve uma "boa conversa" com o presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, e que os dois países irão renegociar questões comerciais e de outras áreas e que isso será "bom para ambos".
Trump disse respeitar o México e alegou ter trabalhado com muitos mexicanos. Segundo o presidente americano, os EUA não podem continuar a perder negócios e empregos para o vizinho. Os dois presidentes se reuniriam na próxima terça-feira, 31 de janeiro, mas o evento foi cancelado ontem. Os dois conversaram por telefone durante uma hora.
Questionada sobre as relações entre EUA e México, May afirmou que a questão era exclusiva dos dois países. Já em resposta a uma pergunta sobre a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), a primeira-ministra britânica afirmou que o Reino Unido e os EUA irão reafirmar sua aliança com a Otan.
May e Trump também foram questionados sobre métodos de tortura em interrogações e aborto. A premiê britânica optou por não responder à questão. Já Trump afirmou que o poder de decidir sobre métodos de tortura será de James Mattis, seu escolhido para o Departamento de Defesa.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia