Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 25 de janeiro de 2017. Atualizado às 23h00.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

frança

Notícia da edição impressa de 26/01/2017. Alterada em 25/01 às 20h52min

Candidato é questionado por dar emprego à mulher

A campanha do candidato conservador à presidência da França, François Fillon, recebeu um golpe ontem, em meio a relatos de que sua mulher recebeu cerca de € 500 mil com fundos parlamentares para cargos em que seu trabalho era apenas "ficcional".
De acordo com o jornal Le Canard Enchaîné, Penelope Fillon trabalhou durante quatro anos como assessora parlamentar de seu marido, que era deputado do departamento de Sarthe. Depois, quando Fillon serviu como ministro de Jacques Chirac, em 2002, ela se tornou assistente de Marc Joulaud, seu substituto. Seus salários nesse período variaram entre € 6,9 mil e € 7,9 mil por mês, antes de impostos.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia