Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 25 de janeiro de 2017. Atualizado às 14h56.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

ESTADOS UNIDOS

Alterada em 25/01 às 15h58min

Trump anuncia investigação sobre possível fraude na eleição de novembro

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta quarta-feira que irá pedir uma "grande investigação" sobre fraude de votos na eleições presidenciais de 2016, revisitando acusações feitas por ele mesmo sobre problemas no sistema de votação do país.
A investigação, disse, irá buscar eleitores registrados para votar em mais de um Estado, "aqueles que estão ilegais e...inclusive os que já estão mortos". A depender dos resultados, acrescentou, "iremos fortalecer os procedimentos de votação!"
Segundo auxiliares e pessoas próximas, o republicano está obcecado pela por sua derrota no voto popular e pela perspectiva de que sua legitimidade seja persistentemente questionada pelo Partido Democrata e por veículos de mídia.
Seus comentários inflando o tamanho da multidão durante a cerimônia de inauguração, na última sexta-feira, bem como acusações pouco fundamentadas sobre fraudes em urnas tem sido uma distração dentro de uma equipe que trabalha para iniciar a presidência com uma enxurrada de ações na economia, complementam essas pessoas.
O porta-voz de Trump, Sean Spicer, abordou na discussão duas vezes desde a posse, reiterando as acusações do presidente de que teria perdido no voto popular porque 3 milhões dos 5 milhões de imigrantes que vivem ilegalmente nos Estados Unidos teriam votado sem direito.
"Ele acredita (na fraude) baseado em informações que lhe foram fornecidas", afirmou Spicer, que não mostrou evidências para apoiar as declarações do presidente. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia