Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 24 de janeiro de 2017. Atualizado às 14h44.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

ESTADOS UNIDOS

Alterada em 24/01 às 15h44min

Trump encontra senadores e quer fazer indicação à Suprema Corte semana que vem

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se reunirá na tarde desta terça-feira com um grupo de lideranças do Senado para discutir um nome a ser anunciado para a Suprema Corte. A indicação do magistrado é uma das prioridades do novo presidente neste início de mandato. Trump afirmou que pretende informar seu indicado para o principal tribunal dos EUA na próxima semana.
O líder da maioria no Senado, o republicano Mitch McConnell, disse que Trump convidou ele, o líder da minoria democrata, Chuck Schumer, o presidente do Comitê do Judiciário do Senado, o republicano Chuck Grassley, e a principal democrata nesse órgão, a senadora Dianne Feinstein, da Califórnia. Os legisladores irão até a Casa Branca discutir o tema. "Eu agradeço que o presidente solicite nosso conselho neste importante assunto", disse McConnell.
A vaga na Suprema Corte está aberta há quase um ano, desde a morte do magistrado Antonin Scalia, em fevereiro de 2016. O então presidente Barack Obama indicou o juiz Merrick Garland para o posto, mas os legisladores bloquearam o nome, dizendo que desejavam esperar o resultado da eleição presidencial para avaliar em que direção o novo nome do Supremo poderia ir.
Atualmente, é preciso 60 votos para confirmar no Senado um nome na Suprema Corte. Os republicanos poderiam, porém, alterar as regras para permitir que os indicados sejam confirmados com maioria simples. Atualmente, os republicanos têm maioria de 52 das 100 cadeiras no Senado americano.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia