Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 20 de janeiro de 2017. Atualizado às 18h59.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

Alterada em 20/01 às 19h59min

Governo Trump anuncia plano energético e revogação de políticas ambientais

Enquanto os olhos do mundo se voltam para a posse do novo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, o site oficial da Casa Branca divulgou um comunicado, nesta sexta-feira, definindo um plano energético para "maximizar o uso dos recursos americanos", através do recuo de políticas climáticas da era Obama.
"Por muito tempo fomos prejudicados por regulamentos onerosos na nossa indústria energética", diz o comunicado. "O presidente Trump se compromete em eliminar políticas danosas e desnecessárias, como o Plano de Ação Climática e Águas. A suspensão dessas restrições vai ajudar muito os trabalhadores americanos, aumentando os salários em mais de US$ 30 bilhões nos próximos 7 anos".
O texto reconhece que nos EUA existem vastas reservas energéticas inexploradas e afirma que o novo governo vai "abraçar uma revolução de petróleo de xisto e gás natural para criar empregos e prosperidade". "Temos que aproveitar os cerca de US$ 50 trilhões em reservas inexploradas de xisto, petróleo e gás natural, principalmente aquelas localizadas em terras federais". O governo também se comprometeu em reavivar a indústria de carvão.
Além disso, o comunicado oficial afirma que aumentar a produção energética dentro dos EUA é uma questão de segurança nacional. "O presidente Trump está comprometido em alcançar a independência energética do cartel da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e qualquer nação hostil aos nossos interesses. Ao mesmo tempo, vamos trabalhar com nossos aliados do Golfo Pérsico para desenvolver um relacionamento energético positivo como parte da nossa estratégia antiterrorismo". 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia