Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 31 de janeiro de 2017. Atualizado às 21h17.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Saúde

Alterada em 31/01 às 22h19min

Sobe para 44 o número de mortes por febre amarela em MG

O governo de Minas Gerais, Estado mais afetado pela febre amarela, divulgou nesta terça-feira (31), que o Estado já registra 126 casos confirmados da doença. Ao todo, 739 casos suspeitos foram notificados e, destes, apenas 29 estão descartados.
Segundo informe epidemiológico divulgado nesta terça, 44 mortes por causa da doença já foram confirmadas em Minas Gerais e há ainda 116 óbitos suspeitos. Trinta cidades mineiras já registram casos confirmados de febre amarela.
A maioria dos registros da doença no Estado refere-se a homens - 87%, contra 13%, entre mulheres. Em relação às mortes confirmadas, 90,9% foram de pessoas do sexo masculino, com média de idade de 44,3 anos.
Segundo o governo do Estado, o aumento no número de notificações se deve à atualização de dados, que incluem casos com início dos sintomas. "A atualização não reflete o aumento no número de casos apenas nos últimos dias", diz o informe.
Até esta terça-feira (31), o Estado de Minas Gerais havia distribuído 3,4 milhões de doses de vacina para prevenção da doença. Destas, já foram aplicadas 1,7 milhão de doses, a maior parte nos municípios com surto de febre amarela.
Até o momento, especialistas não conseguiram identificar as causas de um número tão significativo de casos no País. Uma das hipóteses é de que tenha havido demora no reforço da vacinação em Minas. Há também a possibilidade de que o rompimento da barragem de Mariana possa ter agravado uma situação de desequilíbrio já existente na região.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia