Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 23 de janeiro de 2017. Atualizado às 21h18.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Saúde

Alterada em 23/01 às 22h20min

Sobe para 32 o número de mortes por febre amarela confirmadas em Minas Gerais

Subiu para 32 o número de mortes por febre amarela confirmadas em Minas Gerais, segundo boletim da Secretaria Estadual da Saúde do Estado divulgado na tarde dessa segunda-feira (23).
No levantamento divulgado na última sexta-feira (20), a pasta havia confirmado 25 óbitos, um aumento de 28% em apenas três dias. Há ainda outras 51 mortes em investigação.
Os óbitos confirmados ocorreram nos municípios de Ladainha (8), Ipanema (5), Teófilo Otoni (3), Piedade de Caratinga (2), Malacacheta (2), Imbé de Minas (2), São Sebastião do Maranhão (2), Itambacuri (2), Poté (1), Conceição de Ipanema (1), Setubinha (1), José Raydan (1), Ubaporanga (1).
Uma outra morte é de um paciente residente na zona rural de Januária, com local provável de infecção no distrito de Várzea Bonita. Segundo a secretaria, a investigação epidemiológica está sendo realizada para confirmar o local provável de infecção, em conjunto com o Ministério da Saúde e do Distrito Federal, onde o paciente recebeu atendimento e foi diagnosticado.
Entre os óbitos confirmados, 93,5% das vítimas eram do sexo masculino, com média de idade de 43 anos, segundo informe epidemiológico da pasta.
A secretaria informou ainda que, além das mortes, há 391 casos suspeitos da doença no Estado, dos quais 58 já foram confirmados. Pelo menos 41 cidades mineiras têm registros da doença em investigação.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia