Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 18 de janeiro de 2017. Atualizado às 17h59.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

TRÂNSITO

18/01/2017 - 19h01min. Alterada em 18/01 às 19h03min

Ministério alerta para mensagem falsa sobre cobrança de anuidade de CNH

A mensagem falsa afirma que foi aprovado um projeto de lei que regulamenta a cobrança anual de uma taxa de R$ 298,47 a partir do dia 1º de fevereiro

A mensagem falsa afirma que foi aprovado um projeto de lei que regulamenta a cobrança anual de uma taxa de R$ 298,47 a partir do dia 1º de fevereiro


GILMAR LUÍS/JC
O Ministério das Cidades divulgou nota à imprensa nesta quarta-feira (18), para esclarecer que é falsa a informação que os portadores de Carteira Nacional de Habitação (CNH) precisam pagar anuidade. Segundo o órgão, a mensagem pode ser um golpe contra a população.
A mensagem falsa que circula diz que nesta quarta, dia 18 de janeiro - em pleno recesso do Congresso Nacional - foi aprovado um projeto de lei que regulamenta a cobrança anual de uma taxa de R$ 298,47 a todos os portadores da carteira de motorista a partir do dia 1º de fevereiro. A cobrança seria enviada pelos Correios. Diz a falsa mensagem que o objetivo da taxa seria "auxiliar o governo federal, na extinção da atual crise econômica vivida no país".
O ministério alerta para o golpe e para que a população não pague qualquer taxa enviada pelos Correios. Não procede a informação de que o não pagamento resultaria em dívida ativa e cancelamento da CNH, além de apreensão do documento em "blits" (sic), ou "ações coordenadas pelos Detrans de cada cidade" (sic).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia