Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 18 de janeiro de 2017. Atualizado às 11h24.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

magistério

Alterada em 18/01 às 12h25min

Estado vai reajustar completivo do Magistério em 7,64%

O governo do Rio Grande do Sul anunciou nesta quarta-feira (18) que vai atualizar o valor da parcela completiva do Magistério. O reajuste será nos mesmos 7,64% de correção previstos para o Piso Nacional do Magistério, fixado em R$ 2.298,80 a partir deste mês. Serão necessários R$ 190 milhões, ao longo de 2017, para pagar o chamado completivo. Ao todo, 31.614 matrículas com carga de 40 horas semanais serão atingidas. 
A parcela completiva complementa a renumeração dos professores que não recebem o mínimo fixado pelo Ministério da Educação. Até o mês passado, o valor da parcela complementar era de R$ 2.135,64.
Na comparação com 2016, o reajuste do Piso Salarial representará um acréscimo de R$ 47 milhões nos gastos com a folha de pagamento dos professores gaúchos. No ano passado, eram 32.061 profissionais que recebiam o valor de complemento. Assim como em 2016, a maioria dos profissionais que receberão o completivo ao longo deste ano são de aposentados, que totalizam 25.660 matrículas.
O governo afirma que, caso o novo valor fosse adotado para todos os professores com base no atual Plano de Carreira do Magistério Estadual, o impacto anual seria de R$ 5,1 bilhões. Esse valor se somaria a um passivo, que a Fazenda calcula em R$ 17,3 bilhões, acumulado pelo Estado por não atender à legislação federal sobre o Piso do Magistério.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia