Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 16 de janeiro de 2017. Atualizado às 18h29.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Segurança Pública

Alterada em 16/01 às 19h32min

Governador do Rio Grande do Norte vai pedir aumento do efetivo da Força Nacional

Agência Brasil
O governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria, disse hoje (16) que vai pedir ao governo federal o aumento do contingente da Força Nacional de Segurança Pública no estado. Faria disse, por meio de sua conta no Twitter, que virá a Brasília amanhã (17) para se reunir com o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, e solicitar o reforço do efetivo da Força Nacional para o enfrentamento à crise no sistema penitenciário. "Também solicitei uma audiência com o presidente Michel Temer para tratar sobre a situação", escreveu Faria.
No final de semana, a Penitenciária Estadual de Alcaçuz, foi palco de uma rebelião, com detentos armados de paus, pedras e facas, além de bandeiras com as siglas de facções criminosas. Até o momento, 26 presos de Alcaçuz morreram, mas a Secretaria de Estado de Justiça e Cidadania (Sejuc) admite a possibilidade de haver mais mortos.
O Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar foi acionado e, nesta tarde, entrou na área dos pavilhões novamente. A ação ocorreu depois que presos subiram no telhado da unidade prisional.
Por volta das 13h, os policiais do Bope entraram no presídio acompanhados de integrantes dos grupos Penitenciário de Escolta Penal (GEP) e de Penitenciário de Operações com Cães (GPOC) da Sejuc. PMs do Choque também acompanham a operação de retomada e controle da unidade prisional. Ainda permanece o clima de tensão no local.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia