Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 13 de janeiro de 2017. Atualizado às 16h39.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Saúde

Alterada em 13/01 às 17h40min

RS tem 11 casos suspeitos de chikungunya na primeira semana do ano

Larvas do Aedes aegypti se proliferam em locais com água parada

Larvas do Aedes aegypti se proliferam em locais com água parada


VANDERLEI ALMEIDA/AFP/JC
Foi divulgado o primeiro Informativo Epidemiológico sobre casos de dengue, febre chikungunya, zika vírus e microcefalia de 2017 no Rio Grande do Sul. Os dados foram informados pela Secretaria Estadual de Saúde (SES/RS) nesta sexta-feira (13) e apontam que, entre 1º e 7 de janeiro, foram notificados 11 casos suspeitos de febre chikungunya no Estado. Os casos estão sob análise e aguardam confirmação.
As notificações ocorreram em Porto Alegre, Nova Santa Rita, Cachoeirinha, Nova Petrópolis, Ijuí, Panambi, Osório e Palmares do Sul. No ano passado, foram confirmados 70 casos, sendo 64 importados e apenas quatro autóctones – contraídos dentro do Estado.
O relatório mostrou também que o Estado ainda não teve notificações de zika vírus neste ano. Sobre a dengue, foram registrados vinte casos suspeitos da doença em dez municípios. Três casos já foram descartados e 17 ainda continuam aguardando investigação.
Segundo o site da Secretaria, os dados registrados na primeira semana epidemiológica de 2017 são menores em comparação ao mesmo período do ano passado.
Os números foram apresentados durante a primeira reunião do Grupo de Monitoramento de Ações Estratégicas de combate ao mosquito neste ano. O encontro serviu também para discutir o planejamento das atividades de controle do Aedes aegypti em 2017. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia