Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 25 de janeiro de 2017. Atualizado às 23h55.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Seleção Brasileira

Notícia da edição impressa de 26/01/2017. Alterada em 25/01 às 23h52min

Brasil x Colômbia: vitória da solidariedade no Engenhão

Brasileiros sobreviventes foram homenageados antes de a bola rolar

Brasileiros sobreviventes foram homenageados antes de a bola rolar


VANDERLEI ALMEIDA/AFP/JC
A iniciativa não poderia ser mais nobre: arrecadar a maior quantia possível de dinheiro para repassar às famílias das vítimas do voo da Chapecoense. Talvez, a escolha do Engenhão, no Rio de Janeiro, não tenha sido a melhor, como podia se ver pelos grandes espaços vazios nas arquibancadas - 18,6 mil pessoas foram ao estádio. Uma celebração no estádio Atanásio Girardot, em Medellín, poderia ser uma melhor escolha. Entretanto, o amistoso entre Brasil e Colômbia serviu para estreitar ainda mais as relações com os vizinhos de continente e mostrar que o futebol se presta até para uma disputa em que não há adversários. Ao final, o resultado de 1 a 0 para o Brasil na noite de ontem foi o que menos importou no Jogo da Amizade. A solidariedade foi a verdadeira vencedora.
O grande momento da noite aconteceu antes de a bola rolar, quando os quatro brasileiros sobreviventes da queda do avião - os jogadores Alan Ruschel, Jackson Follman e Neto, e o jornalista Rafael Henzel - foram homenageados no gramado do estádio. Com a bola rolando, a partida foi um amistoso clássico. Com ambas as equipes descaracterizadas em relação às suas escalações principais, o confronto teve pouca competitividade e quase nenhuma disputa por espaço.
A melhor chance da primeira etapa foi colombiana. Aos 34 minutos, Uribe recebeu cruzamento da direita e cabeceou na trave do goleiro Wéverton. O Brasil, por sua vez, chegou com perigo aos 14, com William Arão finalizando por sobre o gol, e aos 23, com o goleiro González evitando o gol de Lucas Lima.
Na volta para o segundo tempo, o Brasil tratou de dar mais emoção à partida. Logo a um minuto, Fágner cruzou rasteiro da direita e Diego Souza finalizou para a defesa do goleiro. No rebote, Dudu escorou de cabeça para abrir o placar.
O gol, porém, não foi suficiente para colocar mais fogo no duelo. Tanto Brasil como Colômbia fizeram as seis substituições permitidas e não conseguiram criar mais oportunidades de marcar. Ao fim, a vitória brasileira por 1 a 0 ficou apagada diante da melhor notícia da noite: a renda de R$ 1,2 milhões.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários