Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 31 de janeiro de 2017. Atualizado às 08h55.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

31/01/2017 - 09h55min. Alterada em 31/01 às 09h55min

Índice de Confiança dos Serviços atinge melhor nível desde 2015

Serviços de Informação e Telecomunicações se destacaram entre os três segmentos que apresentaram alta

Serviços de Informação e Telecomunicações se destacaram entre os três segmentos que apresentaram alta


MARCO QUINTANA/JC
Agência Brasil
A perspectiva na melhora do setor sobre as condições de negócios, levou o Índice de Confiança de Serviços (ICS) subir 4,1 pontos em janeiro, uma alta de 5,6 pontos percentuais em relação a dezembro do ano passado, quando o indicador fechou negativo em 1,5%. Com o resultado de janeiro, a confiança do setor de serviços atingiu 80,4 pontos, ultrapassando a marca dos 80 pontos pela primeira vez desde fevereiro de 2015.
Os dados da Sondagem do Setor de Serviços foram divulgados nesta terça-feira (31) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV) e indicam que das 13 atividades pesquisadas, 11 apresentaram alta da confiança em janeiro. Com isto, o Índice de Situação Atual (ISA-S) subiu 4,7 pontos, para 74,3 pontos, e o Índice de Expectativas (IE-S) subiu 3,2 pontos, para 86,6 pontos.
Para o consultor da FGV, Silvio Sales, o resultado reflete a melhora na percepção do setor sobre as condições de negócios, "tanto em relação a fatores atuais quanto em sua visão sobre as expectativas futuras, o que é um aspecto favorável para os resultados da Sondagem de Serviços neste início de ano".
Segundo Silvio Sales, "a reação representa uma redução no pessimismo das empresas uma vez que o índice ainda se encontra em patamar historicamente muito baixo. De todo modo, este resultado pode sinalizar o início de reação no ânimo empresarial em resposta a um contexto de inflação em queda e de uma perspectiva de melhora nas condições de crédito”.
A publicação divulgada pela FGV indica que a maior contribuição para a alta de 4,7 pontos relativa ao Índice de Situação Atual em janeiro é referente ao indicador de percepção com a Situação Atual dos Negócios, com alta de 5,2 pontos, para 74,4 pontos. Entre os indicadores integrantes do Índice de Expectativas, o destaque positivo foi o relativo à Tendência dos Negócios para os seis meses seguintes, que variou 4,5 pontos, para 90,3 pontos.
A Sondagem do Setor de Serviços de janeiro mostrou que o Nível de Utilização da Capacidade (NUCI) do setor caiu 0,5 ponto percentual em janeiro, frente a dezembro do ano passado, indo a 82,3%.
A alta de 4,1 pontos em janeiro relativa ao indicador Índice de Confiança de Serviços (ICS) atingiu, segundo o Instituto de Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas, três dos quatro segmentos mais importantes pesquisados neste início de ano.
Os consultores da FGV informaram que os Serviços de Informação e Telecomunicações se destacaram entre os três segmentos que apresentaram alta frente em dezembro. A exceção ficou com o segmento de Serviços de Transporte.
A edição de janeiro de 2017 coletou informações de 1.880 empresas entre os dias 2 e 27 deste mês. A próxima divulgação da Sondagem de Serviços ocorrerá em 24 de fevereiro de 2017.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia